Home Métodos Alternativos de Resolução de Conflitos Mediação 5 dicas para uma mediação de conflitos familiares eficaz

5 dicas para uma mediação de conflitos familiares eficaz

Para um mediador, não existe um conflito fácil e simples de ser resolvido. Essa é uma afirmativa ainda mais concreta quando o assunto é mediação de conflitos familiares.

Afinal de contas, estamos falando de problemas que se misturam com sentimentos, laços profundos e expectativas que podem ter gerado uma série de decepções.

Assim, todos esses “ingredientes” tornam a situação de conflito bastante complexa. Por isso, o papel do mediador aqui é de extrema importância e ele precisa saber lidar com esse tipo de situação.

Listaremos abaixo algumas dicas que poderão ajudá-lo a lidar melhor com esse tipo de mediação. Dessa forma, você alcançará o êxito no seu trabalho!

1. Siga todos os princípios da mediação

Não importa como você pretende intervir: todos os princípios da mediação devem ser respeitados. Entre eles estão:

  • a competência;
  • a informalidade;
  • o poder de decisão;
  • a não-competitividade;
  • a confidencialidade; e
  • a liberdade.

Seguir esses princípios é o primeiro passo para iniciar e manter a mediação dentro de padrões aceitáveis sem “lesar” qualquer participante. O mediador deve apenas mostrar os caminhos para a resolução do problema, sem sugerir ideias ou demonstrar opiniões.

2. Mostre que as partes não são inimigas

Nos conflitos familiares, é bastante comum que as partes se vejam como grandes inimigas. Antes daquele momento, o mais provável é que muito já tenha sido dito e muitas pessoas saíram feridas daquele relacionamento do qual criaram grandes expectativas.

Por isso, é importante deixar claro que as duas partes estão magoadas, tiveram baixas e que uma esperava algo da outra que não foi realizado.

3. Facilite a comunicação

Uma grande vantagem na mediação de conflitos familiares é justamente o grau de intimidade que existe entre os envolvidos e os bons momentos que já viveram juntos.

Por exemplo, no caso de uma partilha de bens, é sempre bom que o mediador mostre que aquelas pessoas já se deram bem em algum momento e que, se isso já aconteceu, é possível que possa acontecer novamente, mesmo que nessa situação.

4. Tente mostrar os pontos positivos

É bastante comum que as partes foquem apenas nos pontos negativos e no quanto podem perder aceitando um determinado acordo.

Nesse caso, é sempre bom salientar os pontos positivos de encerrar essa etapa, mostrando que todos poderão seguir com as suas vidas e deixar esse conflito definitivamente para trás.

É preciso que os envolvidos compreendam que todos estão perdendo algo e que, ao mesmo tempo, estão ganhando. Enfatize essa segunda parte e mostre as vantagens que um acordo, sem ações na justiça, pode gerar.

5. Busque esclarecer os pontos

O parafraseamento é uma técnica bastante utilizada na mediação e que pode ser essencial em casos de conflitos familiares.

Em casos de divórcio, por exemplo, a comunicação entre o casal fica bastante prejudicada e muitas informações podem ser entendidas de forma errada pela outra parte.

Esse pode ser o momento de esclarecer diversos pontos com a ajuda do mediador e deixar as opiniões de cada um mais claras e de fácil entendimento para o outro.

Para concluir, a mediação de conflitos familiares é uma situação bastante complexa, mas um dos pontos positivos é que, se as partes optaram pela mediação, algo que é feito de livre e espontânea vontade, é porque estão dispostas a resolver os problemas existentes.


Gostou das dicas? Então compartilhe este post nas redes sociais e ajude outras pessoas a entenderem um pouco mais sobre o assunto!

Dê uma nota a este post!
[Nota média: 5]