A importância da governança corporativa em empresa familiar

A importância da governança corporativa em empresa familiar
Entenda a real importância da governança corporativa em empresa familiar
Escutar o texto
Voiced by Amazon Polly

De forma geral, o objetivo principal da governança corporativa é garantir o alinhamento entre os interesses dos proprietários de uma empresa e os dos administradores.No entanto, quando se fala em governança corporativa em empresa familiar, existem alguns desafios diferentes e algumas peculiaridades, já que essas organizações geralmente são conduzidas com certo grau de informalidade.

Nesse contexto, o propósito do conceito, em suma, é estabelecer boas práticas para mitigar tensões e assimetrias, mantendo o desenvolvimento da companhia e preservando os relacionamentos familiares.

O tema é relativamente complexo, mas, neste post, nós vamos tentar simplificá-lo ao máximo, explicando mais a fundo como a governança corporativa se insere nesse formato de empreendimento. Continue a leitura!

Como a governança corporativa está inserida no contexto das empresas familiares?

Inicialmente, é importante entender que a governança corporativa — segundo o Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) — é um “sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

Em outras palavras, é a governança que aponta o caminho que uma empresa deve percorrer para atingir os resultados projetados.

Para facilitar o entendimento, basta pensar que, no início, o mais comum é que o proprietário de um empreendimento que está começando assuma os papéis administrativos mais relevantes.

Contudo, à medida que o negócio expande, outras pessoas começam a ser inseridas na operação, como gerentes, acionistas etc. É nesse momento que a governança corporativa se torna tão necessária.

Agora, em se tratando da governança familiar, a definição, ainda conforme o IBGC, é “o sistema pelo qual a família desenvolve suas relações e atividades empresariais, com base na sua identidade (valores familiares, propósito, princípios e missão) e no estabelecimento de regras, acordos e papéis”.

Nesse caso, o foco está, primordialmente, em definir um modelo claro de separação entre propriedade e gestão, a fim de diminuir eventuais conflitos nas sucessões, e reduzir possíveis desconfianças entre os integrantes da família, também fortalecendo a imagem do negócio no mercado e contribuindo para a sua estruturação e para a sua longevidade.

Por que a governança corporativa em empresas familiares é tão importante e quais são as suas peculiaridades?

A realidade é que as empresas familiares, mesmo que precisem lidar com desafios comuns aos demais modelos corporativos, têm algumas particularidades. Em regra, essas organizações são constituídas por três esferas distintas: a gestão, a propriedade e a família.

Inclusive, todas elas apresentam deveres, direitos, demandas, expectativas e necessidades específicas que devem ser tão bem conciliados quanto possível, especialmente para evitar desentendimentos e disputas em âmbito judicial, que podem levar o negócio à falência.

Diante disso, na prática, a importância da governança corporativa — sempre respeitando a sustentabilidade corporativa e o desejo da família — reside:

  • no estabelecimento das responsabilidades e dos papéis de cada membro;
  • no alinhamento dos critérios de decisão;
  • na definição de mecanismos de gerenciamento adequados.

Nesse cenário, contar com uma assessoria jurídica se revela uma excelente alternativa, pois um profissional especializado estará apto a conduzir a estruturação, a implementação e a gestão dos atos e das operações societárias, mas também terá habilidade para lidar com questões menos tangíveis inerentes aos negócios familiares, com objetividade e orientação para resultados.

Percebeu como a governança corporativa em empresa familiar está estreitamente relacionada à compreensão das três esferas que a constituem para viabilizar a organização, o planejamento e a criação de sistemas verdadeiramente eficazes que reduzam os riscos à sua sobrevivência?

Em outras palavras, trata-se de um instrumento torna possível a coexistência equilibrada dessas esferas sem deixar de lado a preservação da organização e dos relacionamentos familiares. Este post foi esclarecedor? Então, aproveite para conferir também o nosso post sobre os agentes da governança corporativa e conheça os seus elementos!

E-book - Governança, risco e compliance: o guia completo

Previous articlePalestra “Nova Governança Estratégica das Cidades”
Next articleDue diligence e compliance: veja como garantir a conformidade
A equipe de Redação é formada por profissionais especializados em redação, marketing, finanças, empreendedorismo, administração e gestão. Estes profissionais são os responsáveis por criar conteúdo informativo e que ajudam a inovar e resolver problemas do mercado.