Inteligência artificial no direito: quais os impactos e como aplicar?

Escutar o texto
Voiced by Amazon Polly

A Inteligência Artificial no Direito é uma via sem volta. Por ser uma área de conhecimento bastante tradicional, seus atores nem sempre veem com bons olhos a tecnologia em meio às suas atividades, e muitos profissionais ainda relutam em aplicá-la.

Porém, quem busca uma forma de otimizar seu tempo e a gestão de seu negócio, diferenciá-lo, diminuir custos e melhorar o preço final pode ter encontrado uma saída onde sequer imaginava.

Quer saber mais sobre a Inteligência Artificial no Direito, seus impactos no dia a dia e como aplicá-la? Continue a leitura!

O que é Inteligência Artificial e como ela evoluiu

Antes de entramos na aplicação da Inteligência Artificial no Direito, é preciso conhecer o conceito de Inteligência Artificial e onde ela começou.

A Inteligência Artificial é uma área da Tecnologia que utiliza mecanismos que têm habilidades para identificar padrões e efetuar programações automáticas, a fim de simular o pensamento humano.

Os primórdios da Inteligência Artificial datam de 1940, quando Shannon desenvolveu uma máquina que jogava xadrez e Turing desenvolveu outra que se passava por um humano em uma conversa por escrito.

Muita coisa se passou e evoluiu até que chegassem máquinas ou softwares. Por conta de complexos algoritmos, eles são eficientes em:

  • entender a fala humana;
  • armazenar uma enorme quantidade de dados;
  • organizar dados;
  • cruzar dados;
  • elaborar análises;
  • fazer pesquisas;
  • elaborar raciocínios lógicos;
  • realizar aprendizado contínuo.

A aplicação e os benefícios da Inteligência Artificial no Direito

Hora de ver como a Inteligência Artificial pode ser aplicada no Direito.

Pense num software capaz de realizar todas as tarefas citadas no tópico anterior. Com tudo isso, é possível, no mínimo, automatizar todos os trabalhos repetitivos e monótonos que tomam tanto tempo num escritório de advocacia, por exemplo.

Dessa forma, os advogados podem se voltar para atividades intelectuais, como a estratégia de um caso.

Seguindo o exemplo dado, a Inteligência Artificial pode:

  • atuar como assistente administrativo;
  • fazer as mais diversas pesquisas;
  • buscar jurisprudências;
  • prever resultados,
  • selecionar precedentes;
  • indicar casos análogos;
  • rever contratos,
  • sugerir decisões;
  • apontar riscos.

Com tantos benefícios, a gestão e a organização sobem de patamar, o custo tende a cair e as falhas nos serviços prestados são reduzidas, bem como tempo e o trabalho dos profissionais são otimizados.

Além disso, as decisões são tomadas com base em dados confiáveis e há uma melhora na qualidade do serviço prestado.

Os impactos que a Inteligência Artificial pode causar no Direito

Muitos dos impactos da introdução da Inteligência Artificial no Direito só vão poder ser reconhecidos mais adiante. As mudanças estão ocorrendo agora, e é difícil prever com exatidão.

No entanto, é certo que os advogados vão se libertar das tarefas repetitivas, cansativas, demoradas e monótonas que hoje ainda os prendem.

Ademais, no Judiciário, o impacto pode ser considerável. A Inteligência Artificial pode separar processos que tratam do mesmo tema para a aplicação de precedentes, por exemplo, livrando juízes de julgarem processos praticamente idênticos, que tomam um precioso tempo.

As aplicações da Inteligência Artificial na área

As possibilidades de aplicações da Inteligência Artificial no Direito são muitas. Mas das que já estão sendo aplicadas hoje, daremos dois exemplos.

Primeiramente, há a jurimetria, que, com base nos dados coletados, os analisa com o objetivo de fornecer os seguintes resultados:

  • quantidade de decisões favoráveis ou contrárias em um assunto específico;
  • tempo de tramitação em uma localidade;
  • valores envolvidos;

Também há a plataforma Radar, um Projeto do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que julgou 280 processos em um segundo. O sistema separou os recursos que tinham idênticas requisições. Os juízes prepararam um julgado padrão, feito a partir de teorias estabelecidas por Tribunais Superiores e pelo TJ/MG.

Portanto, depois de vermos essas aplicações viáveis e já postas em prática, temos que concluir que a Inteligência Artificial no Direito, além um caminho sem volta com seus enormes benefícios, traz um diferencial para quem já a aplica.

Depois de entender sobre o uso da Inteligência Artificial no Direito, confira os benefícios do uso da tecnologia no direito.

E-book - Guia completo de direito digital para advogados

Previous articleConheça as 3 principais ferramentas de Compliance e saiba como aplicá-las
Next articleConselho consultivo ou conselho de administração?
A equipe de Redação é formada por profissionais especializados em redação, marketing, finanças, empreendedorismo, administração e gestão. Estes profissionais são os responsáveis por criar conteúdo informativo e que ajudam a inovar e resolver problemas do mercado.