Conheça agora as diferenças entre auditoria interna e auditoria externa

Escutar o texto
Voiced by Amazon Polly

A auditoria consiste em um processo de análise da situação financeira e patrimonial da companhia para identificar a eficiência da elaboração das demonstrações contábeis e encontrar erros ou possíveis irregularidades que podem prejudicar o negócio, permitindo assim uma tomada de decisões mais consciente. Ela pode ser dividida em auditoria interna e auditoria externa.

É importante que você conheça essa diferença, pois isso gera dúvidas em muitos empresários. A auditoria interna ocorre quando o auditor está ligado à empresa. Ele pode ser alguém da equipe do setor contábil ou um contador. Já na auditoria externa, o auditor é independente da organização, ou seja, é um terceiro, contratado particularmente para esse fim.

Quer entender as principais diferenças entre auditoria interna e externa? Então, continue a sua leitura!

Quais são as diferenças mais marcantes entre auditoria interna e auditoria externa?

É necessário identificar as principais diferenças entre essas duas vertentes da auditoria para saber em qual momento é necessário aplicá-las na empresa. Veja os pontos mais importantes, a seguir.

Finalidade

  • auditoria interna: usada para embasar a tomada de decisões da gestão empresarial. Seu foco está ligado às necessidades da administração;
  • auditoria externa: é voltada para o mercado, ou seja, quando a instituição pretende realizar um empréstimo ou buscar investidores. Serve como uma garantia de que o negócio apresenta boas práticas de governança, como forma de aumentar sua confiança.

Auditor

  • auditoria interna: o auditor está ligado à companhia e não necessita ter formação contábil, apesar de que, normalmente, o responsável seja profissional dessa área;
  • auditoria externa: o auditor é independente e precisa ter formação em contabilidade, com registros na CVM e no CRM.

Tipo de análise

  • auditoria interna: operacional e contábil;
  • auditoria externa: somente contábil.

Obrigatoriedade

  • auditoria interna: é uma ação de iniciativa da própria instituição com o objetivo de aprimorar seus processos internos;
  • auditoria externa: é obrigatória para as organizações de grande porte e de capital aberto.

Quais são os benefícios das auditorias interna e externa?

Esses tipos de auditorias podem gerar diversas vantagens. Conheça as principais!

Auditoria interna

  • fornecer dados precisos sobre a situação atual da companhia;
  • fiscalizar os controles internos e verificar sua eficácia;
  • evitar pagamentos desnecessários;
  • identificar falhas nos processos e orientar sobre ações preventivas e corretivas;
  • garantir os demonstrativos contábeis;
  • impedir fraudes, conferindo mais atenção aos funcionários.

Auditora externa

  • contribuir para a política da governança corporativa;
  • aumentar o nível de confiança da empresa perante o mercado;
  • objetividade, já que o auditor externo não tem ideias preconcebidas da organização;
  • analisar a exatidão dos registros contábeis;
  • garantir o cumprimento da exigência estabelecida em lei.

Qual é a auditoria ideal para cada tipo de empresa?

É importante ter em mente que um tipo de auditoria não substitui o outro. E também não existe “o melhor modelo”. O ideal é aquele que mais se adéqua às necessidades da sua empresa. Para saber a mais indicada para a empresa, é necessário refletir sobre alguns pontos:

  • caso a instituição queira fazer uma auditoria operacional e contábil, a ideal é a auditoria interna. Se for apenas contábil, externa;
  • se a empresa necessita de ajuda para fazer um levantamento de informações ou identificar a eficiência dos controles, auditoria interna. Caso precise identificar riscos, será feita a auditoria externa;
  • caso a companhia pretenda buscar um acionista ou realizar um empréstimo, será utilizada a auditoria externa.

De que forma a tecnologia pode auxiliar nas auditorias?

Embora a auditoria não seja necessariamente um assunto recente, existe a possibilidade de inovar sempre. E isso pode ser conseguido, em grande parte, a partir da tecnologia. Os resultados vêm em forma de rapidez e eficiência na emissão de relatórios. Entretanto, é importante considerar que tal questão também engloba o conhecimento dos responsáveis.

É aí que a formação dos profissionais que trabalham com auditoria se torna necessária. Trata-se de um ramo que não permite estagnação. Se hoje em dia a tecnologia está aí para facilitar processos nesse sentido, é nesse tipo de instrução que o auditor precisa investir. Os dispositivos, aplicativos e programas estão aí, basta entendê-los para utilizá-los.

É claro que a tecnologia não substitui a ação humana: ela apenas a complementa. Utilizamos máquinas e inteligência artificial para que o capital humano fique mais livre para desempenhar funções intelectuais que não podem ser substituídas. Assim, a tecnologia funciona como um facilitador, uma forma de nos tornarmos mais produtivos, reduzirmos custos e diminuirmos as falhas humanas. No que diz respeito à auditoria, não poderia ser diferente.

Quer exemplos de aplicação da tecnologia na auditoria?

  • Drones — o inventário anual de auditoria inclui uma conferência de estoque, que consiste em confirmar se os itens existentes no físico condizem com os relatórios. Tal procedimento tem como principal objetivo minimizar fraudes, desvios e erros. Se considerarmos os estoques das grandes companhias, seria necessário mobilizar muitos colaboradores para fazê-lo. O drone facilita essa conferência;
  • Big data — os testes das operações realizadas por grandes empresas é feito por amostragem. A partir de um levantamento do total de operações, é possível determinar a dimensão das amostras. Com a big data, é possível mensurar também a qualidade dos dados que se vai utilizar;
  • Robótica — o trabalho da auditoria é, muitas vezes, robótico e repetitivo. Imagine se o auditor precisar, por exemplo, ligar para cada um dos bancos nos quais a empresa tem conta para confirmar o extrato. Já que tratam-se de ações mecânicas, é possível realizá-las por meio de sistemas automatizados;

É claro que todos esses processos se tornam mais fáceis quando a empresa já conta com sistemas de gestão e outras ferramentas que permitem a automação de processos e, consequentemente, maior produtividade dos colaboradores. Entretanto, se esse não for o caso, o profissional de auditoria pode propor essas mudanças, desde que aja sempre com ética e tato.

Para isso, no entanto, é necessário também conhecimento. Daí a importância de sempre buscar cursos de atualização e especialização. Lembre-se de que, à medida que as empresas tomam consciência dessa importância, aqueles que estão dispostos a oferecê-la passam a contar com um importante diferencial, que certamente influenciará na hora de ser escolhido para realizar as funções de auditor.

Conseguiu entender as principais diferenças entre auditoria interna e auditoria externa? Elas são ferramentas importantes para deixar os processos organizados, as documentações em dia, a empresa legalizada e demais questões importantes para manter a credibilidade perante o mercado. Não se trata de mera burocracia. Para fazer a escolha certa, manter a contabilidade em dia e contar com a orientação de um profissional qualificado é fundamental.

Agora que você já sabe as diferenças entre a auditoria interna e externa, aproveite para ler nosso guia essencial sobre compliance e saiba mais sobre o assunto!

Previous articleLGPD – Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil
Next articleInovações na advocacia: por que você precisa ficar de olho
A equipe de Redação é formada por profissionais especializados em redação, marketing, finanças, empreendedorismo, administração e gestão. Estes profissionais são os responsáveis por criar conteúdo informativo e que ajudam a inovar e resolver problemas do mercado.